[Primeiras Impressões] A Caminho da Eternidade — Tatiane Tálita

Oioi gente!

Antes de começar as Primeiras Impressões, queria que vocês analisassem essa semana que passou e respondessem com sinceridade: como têm aproveitado a vida? Será que passam o dia reclamando ou suportam um trabalho desagradável? Se pararmos para pensar (e nem precisamos de muita reflexão para isso), veremos que nossa vida é muito curta. Vivemos em um meio apressado, com desconhecidos correndo a todo o vapor para cumprirem seus compromissos e ao final do dia, após todo esforço e cansaço, será que valeu a pena? Enquanto lia os primeiros capítulos de A Caminho da Eternidade, da Tatiane Tálita, meu maior questionamento foi: será que tenho aproveitado todos os momentos e vivido com intensidade?

51gqVgv8p7LO que uma pessoa que sabe que vai morrer é capaz de fazer?

Isabela Gusmão de Alvarenga cresceu dentro de uma redoma de vidro, cercada de carinho e proteção, para não se quebrar, para não morrer… mas Bela tinha um plano para se libertar e viver sem a sombra da morte pesando em seu caminho. Ela criou uma lista de onze passos para a Eternidade. E determinada em tornar seu instante de vida eterno, Isabela fechou os olhos, quebrou o vidro ao seu redor e se jogou no mundo, inventando uma nova história para si mesma.
Com ajuda do lutador conhecido como “O Suicida”, Oliver Partezanne, um jovem que não teme a morte, Bela vai caminhar para a eternidade e vai descobrir o quanto um instante bem vivido vale mais do que 100 anos de simples existência.
Isabela e Oliver vão se aventurar no doce sabor do agora, em um romance intenso, engraçado e doloroso.
Uma Não Princesa prestes a morrer e um Ogro fofo.
Uma história de vida, amor e morte.

“A vida é feita de instantes, faça seu instante ser infinito de felicidade…”
Isabela Gusmão de Alvarenga.

Páginas: 335     Ano: 2017     Autor: Tatiane Tálita
A única certeza que temos na vida, é que iremos morrer, no entanto, Isabela Gusmão de Alvarenga sabia que seu tempo seria menor que os demais.
Dizem os sábios que devemos temer mais uma vida insignificante do que a morte, pois viver é completamente diferente de existir. Tem pessoas que passam a vida inteira sem conseguir vivê-la de verdade, enquanto outros, fazem de instantes eternidade.
Após se mudar para São Paulo e ir morar com o irmão, Bela repara que sua vida tem passado como um borrão e seu maior medo não é morrer, mas sim como aproveitou seus últimos momentos. Até aquele instante, ela nada tinha a se orgulhar. Com um pai e um irmão super protetores demais, Bela vivia confinada a própria morte.
Já em São Paulo, a primeira pessoa que Isabela conhece é Oliver Partezanne, o Suicida, que participa de lutas ilegais para conseguir se sustentar e custear a vida que pretende ter fora do país. Vivendo a toda intensidade e sempre no limite, Oliver é o completo oposto de Isabela, porém, isso parece atraí-los no primeiro contato. Após ficarem presos no mesmo elevador, Oliver se sente curioso com relação a garota ruiva. E a surpresa é ainda maior quando Isabela descobre que Oliver é o melhor amigo de seu irmão e que, sem que seus pais saibam, mora no mesmo apartamento que Felipe.
Os primeiros capítulos apresentam os personagem. Admito que no primeiro contato, odiei o irmão de Isabela. Felipe não é só o irmão super protetor. É um babacão de marca maior que, ao meu ver, ao invés de se importar com a irmã, só está preocupado que algo de ruim aconteça e ele leve a culpa. Talvez eu esteja enganada, afinal, só li seis capítulos, mas até o momento Felipe está na minha lista negra de personagens para serem odiadas por toda a eternidade.
O nome do livro não poderia ser outro. A Caminho da Eternidade tem um significado único, é a eternidade de Isabela, suas lutas e conquistas. Bela cria uma lista com onze coisas que precisa fazer antes de morrer, e contando com a ajuda do lutador sem noção, irá caminhar até a eternidade. Até a sua eternidade.
É impossível não gostar da Isabela. Mesmo tendo lido pouco, esses capítulos mostraram uma garota de personalidade forte, muito decidida e que luta por seus ideais. E Oliver, ao contrário do que eu esperava, não é aquele mocinho babaca igual ao Felipe.
— Você não faz o meu tipo. — Respondeu, segura de si, jogando o cabelo para trás e levantando bem o pescoço para encarar Oliver frente a frente, para não transparecer que tinha mentido […].
— Você também não faz o meu tipo, gosto de garotas bem resolvidas e bem-humoradas. Você é um porre. — Ele riu, tentando esconder o contragosto […] — Amigos? — Oliver perguntou, estendendo a mão.
Bela hesitou por alguns segundos. Pensando em toda a situação em qual estava. Sua vida parecia fora dos trilhos.
— Amigos. — Respondeu pegando firme na mão dele e dando-lhe um belo e doloroso sorriso que mexeu com a mente segura dele. — Bora lá, lutador. 
Eu particularmente gostei bastante da premissa. Há uns três anos fiz uma lista de coisas que queria fazer antes dos vinte, e após iniciar a leitura de A Caminho da Eternidade, pretendo fazer uma lista para a vida toda, com todas aquelas vontades loucas e desejos que podem parecer simples, mas que para mim tem um significado especial.
Bem, é uma leitura que vale a pena. A escrita a autora é fluida e os personagens são cativantes, e no início dos capítulos há citações de séries e músicas incríveis que dão um significado maior e mais especial a trama. Prevejo futuras lágrimas? Com certeza!
Anúncios

[Primeiras Impressões] Porcelana: Rubrum Luna – Géssica Marques

Oioi gente!

Vim trazer as primeiras impressões do livro Porcelana — Rubrum Luna, da autora parceira Géssica Marques. Lembrando que Porcelana está na pré-venda e vocês podem adquirir o livro físico por um preço especial.

Os quatro primeiros capítulos estão postados no Wattpad, então depois de lerem as primeiras impressões, vocês podem ler a prévia do livro aqui.

Capa_frente_Porcelana

Nos corações dos habitantes de Centralia, vivem superstições que só poderiam existir em seus mais profundos pesadelos, ou na sombria floresta que cerca toda a cidade, um fato em que todos temem acreditar. 

Com a proximidade do Rubrum Luna, a cidade fica agitada com seus novos visitantes, que além de turistas, podem acabar fazendo parte do banquete principal. Com planos de assumir seu tão desejado lugar junto a corte dos vampiros, Violet Demons se depara com seu tenebroso passado, fazendo com que suas habilidades mais sombrias e poderosas venham tomar parte de sua personalidade. 

Morte e luxúria não são suficientes para descrever os desejos de Violet.

Editora: Young Editorial     ano: 2017     páginas: 220     autor: Géssica Marques

PRÉ-VENDA 

O prólogo se passa em um casebre, no ano de 1790, na cidade de Centralia, com uma mulher sentada na cama, observando várias bonecas de porcelana. No entanto, não são apenas bonecas comuns, antes disso eram humanos que tiveram sua vitalidade sugada por vampiros.

Bonecas de porcelana, estranhas com diferentes tipos de cabelos e roupas, no entanto havia algo de similar entre todas elas, no lugar dos olhos e da boca havia apenas um riscado vermelho, como se a pessoa que as criou ficasse com raiva do resultado e simplesmente riscasse um X enorme onde deveria ficar os olhos e a boca.

A mulher a observar as bonecas também não é comum, é Violet Demons, uma vampira perigosa e sanguinária.

No primeiro capítulo mudamos de século. Estamos agora no século XIX (dezenove), ainda em Centralia. Sona, a fiel serva de Violet, se encarrega de mantê-la saciada e a par de todas as informações que dizem respeito a cidade enquanto o Festival Rubrum Luna se aproxima. A cidade muito supersticiosa mantém a ideia de que bruxas, lobisomens e vampiros existem, atraindo turistas e movimentando o comércio local, no entanto, o que a população não sabe é que há mesmo criaturas sombrias a se temer.

Aproximava-se o grande festival de Centralia. Chamava-se Rubrum Luna. […] O festival em si era por causa da crendice do povo de Centralia, e todo ano eles comemoram por uma semana suas crenças que eram voltadas para as criaturas místicas. Quem aproveitava, no entanto, não eram os turistas ou a população da cidade, mas sim os outros seres…

O tema é bem original e como amo livros com vampiros sanguinários e cruéis, minhas expectativas estão bem altas. Só li os quatro primeiros capítulos e é cedo para ter uma opinião formada sobre o livro, porém tenho que alertar vocês que tem partes hots. Não acredito que seja um motivo para excluir a leitura da lista de quem não curte as partes eróticas. Vocês podem pulá-las e seguir em frente.

Espero que tenham ficados curiosos com as primeiras impressões, porque o término dos primeiros capítulos me deixou desse mesmo jeitinho.

Logo trarei a resenha completa para vocês ❤

~Duda Almeida

[Primeiras Impressões] Ossos do Clima — André Souto

Oioi gente!

Eu queria postar a resenha de Ossos do Clima, do nosso parceiro André Souto, hoje, mas estou passando por uns problemas pessoais e não tive tempo de finalizar a leitura. Como o lançamento do livro é amanhã (11/03) resolvi postar pelo menos minhas primeiras impressões que, diga-se de passagem, foram ótimas.

capa-frente

O misterioso desaparecimento de um renomado cientista, um incêndio criminoso, um roubo que deu errado e as mortes inexplicáveis de diferentes pesquisadores ao redor do mundo. 
Aparentemente nenhum desses fatos está relacionado, mas com o desenrolar da história fica evidente cada pequena conexão. Algumas nem tão pequenas assim. 
Entre inúmeras perguntas sem respostas e enigmas que parecem insolúveis acontece, em Brasília, a Cúpula Mundial do Clima, pano de fundo para tramas políticas que podem mexer com algumas das mais íntimas certezas dos protagonistas da trama, assassinatos e uma caçada pelas pessoas que podem mudar a nova ordem mundial.
Junte-se a Alice Gianne e Amilton Vidal para tentar desvendar esse mistério e entender quais são os Ossos do Clima.
Páginas: 387     Ano: 2016     Autor: André Souto
Logo nos primeiros capítulos meu queixo foi ao chão. Eu não estava preparada, principalmente depois de tantas decepções literárias no mês de fevereiro. Gosto de livros policiais e quando comecei a ler Ossos do Clima me senti totalmente envolvida pela trama.
No prólogo conhecemos Caio Sodré, um renomado professor da UnB, que está pesquisando sobre um projeto muito importante na biblioteca da universidade onde trabalha, quando some misteriosamente em meio a um incêndio.
Alice Gianne, filha adotiva de Caio, acaba sendo incriminada pelo incêndio e pela morte de seu secretário.
De início eu gostei muito da Alice. Ela possui Alexitimia vinda do autismo que a impedem de demonstrar emoções e sentimentos. Mas não foi isso que me afeiçoou a ela e sim a forma que o André Souto moldou sua personalidade. É bastante comum a romantização de doenças, e dá para ver que o autor pesquisou sobre a Alexitimia, trazendo muito mais veracidade ao livro.
Mas Ossos do Clima não para por aí. Mudando completamente da água para o vinho, somos transportados para as Ilhas do Atlântico Sul, onde mercenários conduzidos por uma equipe especializada realizam um assalto a um museu. Sombra Um, o líder da operação, trai a Organização no último instante.
— Ouvimos um disparo, algo errado com a segurança, tenente?
— Não, algo errado com a operação, seu francês de merda.
Os superiores entreolharam-se. O sangue de George congelou.
— Prossiga, Sombra Um. — Pierre, um pouco mais tenso, deu a ordem. Dentro do peito era como se alguém trouxesse vida à pólvora armazenada no coração. Fortes batidas. — Relate o ocorrido, Sombra Um.
— A equipe Plutão está ouvindo essa conversa. Eu quis assim. Quero informar que estou fora da Organização. Em definitivo.
Mudando novamente o cenário, vamos para Jerusalém, Israel, onde Rômulo Panjota, um pesquisador do setor privado em geologia e petróleo, é assassinado de um jeito terrível. Como esses casos distintos se interligam? Bem, você só saberá se ler Ossos do Clima.
As primeiras páginas são enigmáticas e juntamente com a descrição dos fatos em terceira pessoa e a construção dos personagens, a leitura flui de uma forma incrível. Em um momento eu estava no prólogo e em outro já tinha terminado a degustação que o André me mandou. A escrita é madura, então não esperem encontrar algo superficial ou buracos no enredo.
Estou finalizando a leitura e como pretendo fazer uma resenha linda e que faça jus a toda a trama do livro, vou parar por aqui.
Para quem ficou interessado e mora em Brasília, estará acontecendo o lançamento do livro na Livraria Cultura do Casa Park, às 16h desse sábado (11/03). É uma oportunidade que não dá para perder. Além do enredo eletrizante, a capa está linda e a diagramação, mesmo que eu tenha lido em formato digital, parece estar muito bonita. E, claro, é uma ótima oportunidade de ter seu exemplar lindo e cheiroso autografado.
sg

~Duda Almeida