[Resenha + Quotes] Uma Real Leitora — Alan Bennett

Oioi gente! Como vocês estão?

Na minha cidade o frio está acabando, vocês acreditam? Poxa, eu estava louca para aproveitar o clima e passar o dia debaixo do cobertor.

Uma Real Leitora é um dos livros que está na minha TBR de Inverno, e eu já terminei a leitura! Ouvi um aleluia, irmãos?

uma real leitoraCerto dia. a alegria exagerada de alguns dos cães welsh corgi da rainha inglesa chama a sua atenção. Ao chegar à varanda do palácio. Sua Alteza presencia os cachorros latindo para um furgão estacionado. Curiosa. não hesita em vencer os pequenos degraus e descobre a biblioteca itinerante. É o início de uma grande paixão pela leitura. que terá como guia Norman. um controvertido empregado do palácio. De uma hora para outra. Sua Alteza torna-se assídua freqüentadora da biblioteca. Henry James. Charles Dickens e Marcel Proust são seus novos companheiros.

IMG_20170718_102510074

Uma Real Leitora foi um livro que peguei despretensiosamente na biblioteca, porque o título era interessante e a capa muito elegante. Não tinha muitas expectativas, o que contribuiu bastante para que a obra me impressionasse. Na verdade, antes da TBR de inverno eu nem pensava em realmente lê-lo e foi uma surpresa muito grande ao me ver presa nas páginas, usando a velha desculpa de “só mais um capítulo”.

O livro é um romance de Alan Bennett, onde a protagonista não é ninguém mais, ninguém menos que a Rainha Elizabeth II. E ele narra de forma muito descontraída, citando clássicos da literatura inglesa e mundial, como surgiu o amor da monarca pelos livros.

Tudo começou durante um passeio com seus cachorros, no Palácio de Buckingham. Onde os corgis malcriados e esnobes, saíram correndo feito loucos, latindo para um grande furgão estacionado. O furgão pertencia a biblioteca itinerante de Westminster.

De imediato, durante a primeira visita inesperada, pegar um livro parecia uma obrigação. Da segunda vez, a rainha realmente se entregou a obra, passando a ler constantemente, enquanto é assessorada por Norman, um rapaz ruivo e magricela que trabalhava na cozinha.

Logo Norman é promovido, e a cede de leitura da rainha aumenta, o que irrita as pessoas ao seu redor. As obrigações reais que Elizabeth tinha muita satisfação em cumprir, passaram a ser inconvenientes, chegar uns minutinhos atrasada também estava virando rotina, assim como repetir peças de seu guarda-roupa, o que antes era considerado inadmissível. E se não bastasse isso, os assuntos que antes giravam em torno de problemas reais, clima e coisas supérfluas, dá lugar a discussões acaloradas (e monólogas), sobre Thomas Hardy, e seu poema do Titanic e do iceberg, Proust e muitos outros autores que ninguém — além da monarca e Norman — parece conhecer. A lista da rainha é extensa, fazendo-a pensar que nunca terá tempo de compensar os anos que perdeu sem ler.

IMG_20170718_102637655 (2)

A leitura é muito gostosa e instrutiva. Alan Bennett descreve como é a vida da monarca, mas não da forma glamourosa que estamos acostumados a imaginar. Bennett descreve a rotina de Elizabeth, os afazeres e como a rainha idosa é vista e subestimada. Em contrapartida, demonstra o quanto a velhinha é astuta e cativante.

Foi uma leitura rápida de um dia, de onde tirei lições importantes e quotes maravilhosos.

Se você é daqueles leitores que estão sempre com um livro estrategicamente bem colocado e a qualquer momento sacam uma edição e se desligam do mundo, com certeza Uma Real Leitora é uma boa pedida.

Melhores quotes:

“— Briefing é seco, factual, direto. Ler é confuso, discursivo e eternamente atraente. Briefing encerra um assunto, ler abre.”

Pág 27.

 

“— Com certeza a maior parte das pessoas sabe ler?

— Sabem ler, majestade, mas não tenho certeza de que leiam.

— Então, Sir Kevin, estou dando um bom exemplo.”

Pág 32.

 

“— Entendo — disse ele [Sir Kevin] — Vossa Majestade precisa de um passatempo.

— Passatempo? — disse a rainha — Livros não são passatempo. São sobre outras vidas. Outros mundos. Longe de querer que o tempo passe, Sir Kevin, o que queremos é ter mais tempo.”

Pág 33.

 

“O apelo da leitura, pensava ela, estava em sua indiferença: havia algo altivo na literatura. Livros não se importavam com quem os estava lendo ou se os liam ou não. Todos os leitores eram iguais, ela inclusive. A literatura, pensou, é uma Commonwealth; as letras, uma república. […] Naquela época, ela considerava ligeiramente ofensivo falar de república, sob qualquer aspecto, e em sua presença, uma falta de tato, no mínimo. Só agora entendia o que queria dizer. Livros não faziam deferências. Todos os leitores eram iguais. […] Era anônima; era compartilhada; era comum a todos. E ela, que havia levado uma vida apartada, agora descobria que tinha fome daquilo. Ali naquelas páginas e entre aquelas capas podia caminhar incógnita.”

Pág 35.

 

“— É. É exatamente isso que é. Um livro é uma bomba que faz explodir a imaginação.”

Pág 37.

 

“— Nós lemos por prazer — disse a rainha — Não é um dever público”.

Pág 46.

 

“Penso na literatura como um vasto país para cujas distantes fronteiras estou viajando, mas que não é possível alcançar. Eu comecei tarde demais. Nunca vou recuperar o tempo perdido. A etiqueta pode ser ruim mas a vergonha é pior”.

Pág 48.

 

“Um autor escocês foi particularmente alarmante. Quando ela perguntou de onde vinha sua inspiração, ele respondeu ferozmente:

— Não vem, majestade. Tenho que sair atrás dela”.

Pág 52.

 

“Uma receita para a felicidade é não ter nenhuma sensação de ter direito a alguma coisa. Esta é uma lição que nunca estive em posição de aprender. […] Ele [Anthony Powell] observou que ser escritor não desobrigava ninguém de ser um ser humano. Enquanto isso (e isso não dissemos) ser rainha desobriga. Tenho de parecer um ser humano o tempo todo, mas raramente tenho de ser um. Tenho gente para fazer isso por mim”.

Pág 70.

 

“Você não põe sua vida nos seus livros. Você a encontra neles”.

Pág 94.

 

“— Como alguns de vocês sabem, ao longo dos últimos anos me transformei numa ávida leitora. Os livros enriqueceram minha vida de uma forma que nunca teríamos esperado. Mas livros só podem nos levar até um determinado ponto e agora acredito ter chegado a hora de no lugar de leitora me transformar, ou tentar me transformar, em escritora”.

Pág 103.

Anúncios